Jogo da Chevrolet, não test drive!

A Chevrolet realizou uma ação em Bangkok, onde as pessoas poderiam controlar um carrinho que aparece em grandes telões espalhados por diversos locais da cidade , por meio do seu celular. Com isso a empresa conseguiu o cadastro de milhares de número de celular depois que proporcionou um pouco de diversão para as pessoas em locais públicos. O único problema, a meu ver, é chamar a ação de “test-drive” já que pelas imagens, o carrinho é bem difícil de controlar, e além disso o joguinho é bem simples !

Vale pela experiência proporcionada pela marca! Aqui no Brasil, coisas inusitadas como essa em nosso dia a dia estão em falta!

Paulo Victor

Anúncios

A evolução da arte de “Contar histórias”.

A arte de contar histórias faz parte da interatividade das marcas com o seu público. Uma história pode ser contada num filme publicitário, num texto, num livro, em uma experiência, em um jogo, ou em todos esses meios ao mesmo tempo. E não importa qual seja o roteiro previsto para essa história, cada um vai ter uma história diferente em seu contato com a marca. Seja pelo momento em que terá essa contato, seja pelo local ou pelas circunstâncias.

A história do ato de “Contar histórias” é contada por Elan Lee, um dos inventores dos “Alternate Reality Games” no vídeo abaixo:

A internet é o espaço onde diversas formas de mídia e interação podem estar juntas, e se tem uma coisa que os usuários de internet prezam é a liberdade, e quanto maior a liberdade de divulgação, interatividade e compartilhamento de opiniões e novas versões, menor é o controle que as marcas tem sobre a história que ela deseja contar. Isso de maneira nenhuma deve ser enxergado como fraqueza, pelo contrário, quem fizer as coisas de forma correta, para que o público realmente goste da experiência que está sendo proposta, terá sucesso dando ainda mais liberdade de escolha.

A conclusão é: quanto mais uma empresa tenta processar usuários por violação de direitos autorais, ou por compartilhamento de propriedade intelectual, maior será a sua rejeição. Como Elan Lee destaca, ainda estamos aprendendo a contar histórias pela internet. Ainda estamos fazendo experiências e não sabemos direito como ter sucesso, principalmente com as mídias sociais. E até agora, teve mais sucesso exatamente quem menos restrições colocou, e mais caminhos abertos deixou aos usuários. Terá sucesso quem não tentar dizer “o que isso é” ou “o que isso não é”.  Os “Alternate Reality Games” são um sucesso exatamente porque misturam mídias com a realidade, fazendo com que o jogador tenha experiências interativas, e sinta-se no controle da situação, como parte da ação, e não apenas como espectador.

Paulo Victor

Viagem Galáctica

Você pode dizer que tem medo, que acha bobagem, mas com certeza não existe pessoa na Terra que nunca sonhou em viajar para o espaço. O que parecia coisa dos Jetsons ou então anos de estudo, dedicação e sorte para virar astrounauta, agora pode ser pago em dinheiro.  Já existiram turistas espaciais. Eles tiveram que desembolsar por volta de US$ 25 milhões, bem diferente dos US$ 100.000 previstos como sendo o custo do embarque na SpaceShipTwo e o WhiteKnightTwo (turbojato que conduz a SpaceShipTwo, e que fez a sua primeira viagem em março de 2010).  Quem vai proporcionar isso à humanidade não é a Nasa e nem o governo norte-americano, é a Virgin.

Após anos de pesquisa e muito dinheiro investido está para ser lançado “Virgin Galactic” , o sonho do bilionário Richard Branson que se torna realidade. O vôo de aproximadamente duas horas e meia leva os passageiros para uma distância de 109 km de distância da terra e ainda vai permitir aos passageiros a experiência de ficar sem gravidade de 4 a 5 minutos. Desde 2005 já estão sendo vendidos lugares para as viagens, e isso demonstra que o sonho a ser realizado não depende da certeza de ter visto a viagem acontecer alguma vez, para ficar seguro sobre o perigo da “brincadeira”.

A empresa de turismo espacial é o ápice dentre os ousados investimentos de Branson e da Virgin nos últimos anos. Talvez não haja melhor exemplo de empresa preocupada em proporcionar experiências às pessoas do que o grupo Virgin, que começou como selo musical e expandiu com a criação de megastores, rádio e organização de grandes eventos e festivais. Depois expandiu seus negócios para empresas de transporte (ferroviário e aéreo) e de telecomunicações (Virgin Mobile).  No ano passado a empresa teve grande destaque ao patrocinar a Brawn, equipe que foi campeã da Formula 1.  Agora  o mundo parece não ser mais fronteira para a Virgin… que com certeza ficará na história por ser a primeira empresa de turismo aéreo do mundo.

So let the journey begin…

Paulo Victor

O2 transforma cinema em estádio.

A operadora telefônica  inglesa O2 fechou duas das mais famosas salas de cinema de Londres e as transformou em estádio de Rúgbi.

A partida de Rúgbi entre Inglaterra x País de Gales foi a primeira na história a ser transmitida ao vivo em 3D. A audiência que se acomodava nas poltronas ainda meio que sem saber como deveria se comportar, logo entrou no clima proposto pela ação quando minutos antes da partida o locutor soltou a seguinte vinheta: “Por favor, a transmissão já vai começar. Deixem os seus celulares… ligados! Vocês não vão ver um filme, vão assistir a uma partida de rúgbi. Tratem de fazer barulho, fazer deste cinema um estádio”

Havia vendedores de cerveja espalhados estratégicamente pelas salas e os torcedores cantavam o hino de seus países e vibravam junto a cada jogada. Além disso em alguns momentos a transmissão em 3D dava a impressão de que a audiência estava dentro do campo assistindo a jogada.

No Brasil, em um cenário onde a violência e a dificuldade de acesso afasta boa parte dos fãs dos estádios, e cada vez mais salas adaptadas para a exibição de filmes em 3D são abertas, surge uma oportunidade. Resta saber que empresa vai sair na frente.  O ingresso custava algo em torno de 35 reais, nada muito diferente do que pagamos nas salas de IMAX.

Além da mídia espontânea, a O2 proporcinou uma experiência inovadora aos presentes em uma ação totalmente adequada aos valores da marca.

Abaixo o vídeo com a reação das pessoas durante e após o jogo.

Mais no site: http://www.o2blueroom.co.uk/3drugbylive

Paulo Victor

O Skol Sensation como marco de uma nova era de eventos grandiosos.

Grandes eventos de música com patrocínio de grandes marcas no nome não são nenhuma novidade. Nos anos 90 tivemos o Hollywood Rock, Philips Monsters of Rock, Free Jazz Festival, entre outros. Nos anos 2000 vieram o Planeta Terra, Tim Festival e o Skol Beats, que é o antecessor do Skol Sensation. Todos esses eventos tem como semelhança o alto investimento em artistas de renome internacional e nacional, que atraiam grande público, no entanto  a estrutura dos eventos em si não trazia nada fora do que estamos acostumados a ver em terras tupiniquins, com as já costumeiras dificuldades de estacionamento, entrada e saída do evento tumultuadas, compra ingressos com extrema dificuldade e também falhas no som e nas imagens dos telões, quando existiam.

Acredito que o medo dos investidores em ousar na estrutura vêm do fracasso do Rock In Rio, que foi o último grande evento no Brasil a ousar. Fracasso financeiro devido ao público, mas sucesso de conhecimento de marca, o que ficou claro quando o festival se internacionalizou, realizando edições em Portugal e na Espanha, lugares com melhor estrutura para a viabilização financeira de um festival com tamanho investimento.

O Skol Sensations é uma idéia importada da Alemanha, que já se mostrou um sucesso em diversos outros países e teve a sua primeira edição em 2009, mesmo sem nomes de peso, o conceito e a qualidade do que foi oferecido ao público proporcionou uma experiência inesquecível, principalmente para nós brasileiros, que não estamos acostumados com tamanho capricho de produção e estrutura.

A Skol esse ano promete um evento ainda melhor, e a expectativa é que com o sucesso do Sensation, o Brasil perca o medo de trazer espetáculos grandiosos, como por exemplo do violinista André Rieu. Ao assistir um DVD dele, nunca consigo imaginar aquilo sendo feito no Brasil. Vamos torcer para que o Sensation abra novas fronteiras, e as marcas comecem a investir em eventos que tragam experiências inesquecíveis.

Paulo Victor

Aprenda a dominar o Google antes que ele domine você!

Olá a todos! Esse é o meu primeiro post e espero deixar esse espaço sempre bem abastecido com coisas interessantes e relevantes.

Eu não poderia começar falando de outra marca senão aquela que mais me fascina, o Google.  Você consegue imaginar o seu dia a dia sem o Gmail, o Orkut, o Youtube e o Google Maps ? Aliás, é por causa desses serviços que você se interessa por um celular com internet 3G , caso contrário não seria assim tão importante. Se um celular com acesso a tudo que o Google disponibiliza já facilita a vida, imagina então um celular desenvolvido pelo próprio Google, que certamente criará mecanismos para que alguns recursos sejam acessados de forma exclusiva pelo “telefone android” Nexus One.

Fique de olho em tudo que o google lança, não subestime o buzz ou o wave, ou você os domina, ou qualquer hora o google te passa pra trás novamente.

Paulo Victor



%d blogueiros gostam disto: